Coisas que guardamos

domingo, 14 de agosto de 2011 23:32 Postado por Arielle Gonzalez
Todo ser humano nasce com a capacidade de enxergar apenas o que deseja e ignorar as verdades mais óbvias, aquelas que machucam.
Já me acostumei com a presença das ausências na minha vida, assim como a obrigação de conviver com as consequências de cada partida. Essa falta começa a ser sentida no momento que abro os olhos e segue ao lado até a hora de dormir. Eu nunca estou só.
Hoje despertei com vontade de ignorar o calendário, os comerciais, o sentimentalismo barato da televisão. Há mais de um ano todo dia é dia dele, mas isso não é motivo para comemorar.
Por ironia do destino li um trecho do livro A sombra do vento na internet. Essa foi a gota d'água
. Ironicamente, esse sempre foi um dos meus livros favoritos, mas faz mais de um ano que ele ganhou um novo significado. Ele chegou com a chuva no dia que meu pai se foi. Desde então, quando olho para ele penso naquele dia, tudo que aconteceu, mudou e ficou. Sempre penso nisso com um sorriso triste, o mesmo que me persegue feito uma sombra.



Eu espero que você ainda possa me ouvir. Penso em você todos os dias, porém não consigo decidir qual é o sentimento mais forte, o amor que sinto por você ou o quanto sinto a sua falta. Feliz dia dos pais.

0 Response to "Coisas que guardamos"

Postar um comentário